De R$ 99.990,00 a R$ 199.990,00 você pode ter um elétrico puro na garagem. Veja as opções

A chegada da Neta no mercado brasileiro indica que o setor de carros elétricos deverá continuar sendo dominado pelas montadoras chinesas. A Neta anunciou o lançamento de três modelos no segundo semestre e planeja a instalação de uma fábrica no Brasil. Outras chinesas estão investindo no Brasil e prometem produção local em breve.

Mesmo com a taxação imposta pelo governo este ano (a partir dede julho a alíquota para elétricos sobe de 10% para 18%), as importações continuam crescendo e os preços são cada vez mais atrativos, já competindo com os carros a combustão produzidos no Brasil.

Hoje o mercado oferece nada menos do que nove opções de elétricos puros por menos de R$ 200 mil, sendo que o mais barato fica abaixo dos R$ 100 mil e, curiosamente, é o único de uma marca ocidental na lista dos mais baratos: o Renault Kwid é ofertado por R$ 99.990, 00.

Todos os demais modelos que custam menos de R$ 200 mil são de origem ocidental, sendo um coreano – o Hyundai Kona EV, que custa R$ 189.990,00 – e os demais, todos chineses: BYD, Seres, GWM, JAC e Chery, em parceria com a Caoa.

A BYD, não por acaso líder de vendas no segmento, domina a lista dos mais baratos, com três opções ao consumidor: o Dolphin Míni é oferecido a R$ R$ 115,8 mil) e é o segundo mais barato do mercado; a marca ainda tem o Dolphin (R$ 149,8 mil) e o Dolphin Plus (R$ 179,8 mil) custando menos de R$ 200 mil.

A Caoa Chery tem o terceiro mais barato, o iCar, vendido por R$ 119,990,00, e o JAC e-JS1 é o quatro da lista, custa R$ 126.900,00. A GWM aparece na sexta posição com o Ora 03 Skin, por R$ 150 mil, e o Seres 3 encerra a lista dos elétricos mais baratos do mercado, vendido por R$ 199,9 mil.

Veja o que dá pra comprar por menos de R$ 200 mil

 

Veja também:

Fiat pode trazer elétrico chinês por R$ 150 mil

Vendas caem em mês problemático

Enchentes e greves tendem a esfriar vendas de veículos