Crescimento do mercado está comprometido por financiamento caro e poucos compradores com renda e confiança para se endividar

Quase fechados os números de vendas de veículos do primeiro trimestre de 2023 e o mercado segue patinando, com crescimento tímido, abaixo do que era esperado. O principal problema, desta vez, não é a falta de carros a entregar, mas a escassez de clientes com renda e confiança suficientes para assumir financiamentos muito caros, de prazos curtos e prestações altas.

O crédito seria a única maneira de acomodar no bolso os elevados preços que transformaram carros em bens distantes para a maioria da população que não consegue pagar R$ 80 mil em modelos posicionados na entrada do mercado.

Ocorre que os juros foram igualmente lançados à estratosfera: de acordo com levantamento da Anefac com trinta bancos a taxa média para compra de veículos do CDC, crédito direto ao consumidor, em janeiro passado chegou a quase 2,2% ao mês, 29,7% ao ano, o mais alto nível que se tem notícia desde a virada dos anos 2000 – e mais que o dobro da atual taxa básica Selic do Banco Central, de 13,75%. Para fazer uma comparação mais recente, em novembro de 2020 este mesmo juro médio do CDC, já em rota de alta, era de 1,3% ao mês, 16,6% ao ano, e em janeiro de 2022 era de 1,9% ao mês e 25% ao ano.

Com custo tão elevado e prazos não maiores do que 36 meses ninguém em sã consciência tem disposição ou poder financeiro para assinar um contrato de financiamento.

E mesmo se topasse cometer tal desatino para comprar um carro zero a maioria das pessoas nem consegue, pois os bancos ficaram bem exigentes para conceder empréstimos diante do mais alto índice de inadimplência das últimas duas décadas: quase 5,5% dos financiamentos de veículos estão com prestações em atraso por mais de noventa dias.

O resultado da combinação de preços e juros altos com inadimplência elevada é que os financiamentos caíram para níveis de baixa nunca vistos antes: no fim de 2022 apenas 32% das compras de carros foram financiadas, 64% foram pagas à vista – e a maioria destas por empresas, já que não há no Brasil tantas pessoas com poder para quitar no ato automóveis de mais de R$ 100 mil.

Historicamente estes porcentuais sempre foram opostos, quase sempre mais de 60% das vendas de carros no País eram a prazo. Nos últimos anos o crédito sustentou o crescimento do mercado brasileiro de veículos, inclusive em tempos de crises econômicas. Sem esta ferramenta a expansão das vendas é insustentável.

O pior é que esta não parece ser uma situação pontual ou momentânea, não vai passar tão cedo. Segundo recente reportagem da jornalista Rúbia Evangelinellis para a revista AutoData de março, os juros podem até cair um pouco este ano, mas vão continuar em patamar elevado, acima dos dois dígitos porcentuais, ao mesmo tempo em que os bancos vão continuar com o pé-atrás, só vão aprovar financiamentos para quem pode pagar – e estes estão em número reduzido.

Neste cenário parecem até otimistas demais as tímidas projeções de crescimento nas vendas este ano, estacionadas em expansão de não mais de 3% para os quase mesmos 2,1 milhões de veículos dos últimos três anos.

O fato é que em 2022, principalmente no primeiro semestre, havia muito mais clientes a atender do que carros a entregar, porque as fábricas estavam sofrendo com a falta de componentes eletrônicos e não conseguiam atender toda a demanda. Então a restrição de crédito que já estava sendo desenhada não era um problema, já que as montadoras vendiam tudo que produziam pelo preço que queriam. Essa maré mudou e pode alterar bastante o perfil do mercado.

Por Pedro Kutney