Custo para rodar e fazer a manutenção preventiva foi de R$1.940,17 no mês

Setembro foi o terceiro mês seguido de queda nos preços de produtos e serviços usados pelo motorista para andar de carro e fazer a manutenção preventiva. A Inflação do Carro da Agência Autoinforme registrou um índice de -3,8% nos custos e o grande responsável por mais essa “deflação” foi mais uma vez o combustível. A queda dos preços do álcool e da gasolina na bomba provocou a redução no gasto mensal do motorista, que foi de R$ 1.940,17 no mês. Em agosto o gasto total foi de R$1.999,21 e o índice de deflação foi de 1,32%.

O estudo da Inflação do Carro constatou uma redução de 12,9% nos preços dos combustíveis em setembro e foi a única cesta de produtos que teve queda. Todos os demais grupos de despesas apresentaram alta nos preços, mas como os combustíveis representam nada menos do que 27,6% de todas as despesas para andar de carro, qualquer alteração nesse segmento tem influência decisiva no índice da Inflação do Carro.

O preço da gasolina teve uma queda de 12,6% e do álcool 13,5% e, na média, o motorista gastou R$ 551,97 para abastecer o carro no mês.

Já o item que mais subiu de preço em setembro foi o seguro, com alta de 5%, seguido pelas peças de reposição, que ficaram 3,6% mais caras (o óleo do motor aumentou 4,3% e a correia dentada 6,4%).

A cesta de serviços, que inclui lavagem, estacionamento, mão de obra e revisões, se manteve estável, com um aumento residual de 0,4% (nesse grupo, somente o estacionamento por duas horas ficou mais barato, com queda de 5,4%).

No total, o motorista gastou R$ 1.940,17 no mês com o carro, lembrando que o estudo é baseado num modelo compacto seminovo e considera os serviços e a troca de peças de forma preventiva.

 

Inflação do Carro

Setembro de 2022
Índice: -3,8%
Gasto total do motorista: R$ 1.940,17

Fonte: Agência Autoinforme
Colaboraram: Aplicativo de oficinas Revvi e Anady Diniz Corretora de Seguros